A Singularidade e os Novos Negócios e Ocupações

 A Singularidade e os Novos Negócios e Ocupações

Cadastro Balcao de Empregos
https://www.balcaodeempregos.com.br/curriculo/cadastro

Trouxemos para vocês hoje uma entrevista com o Professor e Fundador da Anhanguera Educacional S.A. – Antônio Carbonari Netto. Nesta entrevista concedida ao canal do Youtube Must Class, ele discorre sobre A Singularidade e os Novos Negócios e Ocupações.

A pauta da entrevista é baseada na correlação entre inteligência artificial x inteligência biológica, com foco nas mudanças que isso traz para as antigas profissões frente às novas que já são realidades.


Conceitos analizados:

Como reinventar a educação.

O crescimento exponencial do desenvolvimento científico e tecnológico.

O humano e a máquina.

O cérebro humano biológico.

O cérebro não biológico.

Novas Ocupações e profissões.

Ocupações que irão desaparecer.

Ocupações com urgentes adaptações.

Novas ocupações – já são realidade.

Profissões em preparação (conjunto de competências)

Temas finais abordados:

Mudanças radicais em ciência e tecnologia.

Mudanças fortes dos paradigmas científicos e tecnológicos.

Transição – mudanças profundas  na educação de jovens e adultos.

Novos conceitos empresariais – estratégias e modelos organizacionais.

Novas concepções – perfil do empregado e do empreendedor.

Arquitetura: Inovações, criação de valor, eficiência e flexibilidade.

Foco em atendimento aos novos consumidores.


Veja essa entrevista na íntegra no link abaixo:

Temos milhares de vagas anunciadas no Balcão de Empregos – acesse e confira quais são da sua área

Veja também:

Autoconhecimento e planejamento estratégico de carreira

POSTS MAIS RECENTES

Como encontrar emprego na pandemia

Como encontrar emprego na pandemia Temos milhares de vagas anunciadas no Balcão de Empregos – acesse e confira quais são da sua área Mesmo antes do início da pandemia (covid-19) o mercado de trabalho já estava defasado, com a chegada da pandemia em 2020 essa proporção aumentou consideravelmente. Algumas das razões para isso foi o … Continuar lendo

Recursos Humanos – saiba tudo sobre Rh e sua gestão

Recursos Humanos – saiba tudo sobre RH e sua gestão A área de Recursos Humanos, conhecida também como RH, é responsável pela gestão dos colaboradores dentro das empresas: seja executando as tarefas burocráticas da área – como o cálculo de horas extras – ou realizando tarefas estratégicas – como o gerenciamento do clima, motivação dos … Continuar lendo

Como se manter competitivo no mercado?

Se manter no mercado competitivo é um grande desafio para as empresas em tempos de crise. Porém, é possível e muitas delas conseguem ainda se destacar mediante a escassez da demanda no seu segmento Na verdade, não existe uma fórmula mágica para isso. Mas podemos dizer que há estratégias que permitem a sobrevivência no mundo … Continuar lendo

Carregando…

Ocorreu um erro. Atualize a página e/ou tente novamente.

Erros de chefes são mais tolerados, exceto quando são graves.

chefe-dinheiro-rico-riqueza-roubo-arrogancia-1363030272198_615x300

Quando se trata de infrações no escritório, os líderes parecem se safar de muitos problemas que custariam o emprego de seus subordinados. Aparentemente, as pessoas fecham os olhos quando o gestor usa o cartão de crédito da empresa para cobrir os 200 dólares de um almoço particular, mas um funcionário pego na cantina do escritório enfiando uma lata de refrigerante na mochila pode perder o emprego.

Contudo, há um limite até mesmo para os cargos mais altos. Novas pesquisas da escola internacional de negócios Insead sugerem que os líderes geralmente recebem mais leniência quando apresentam comportamentos antissociais ou inapropriados, mas quando exageram –ou seja, quando seus comportamentos são considerados “muito graves”–, enfrentam punições ainda mais pesadas do que as de um subordinado.

“Pesquisas mostram que, por conta de seu poder e status, líderes recebem certos privilégios”, afirmou Natalia Karelaia, professora assistente de ciências da decisão na Insead, além de coautora do artigo “When Deviant Leaders Are Punished More than Non-leaders: The Role of Deviance Severity” (“Quando Líderes com Desvio Comportamental são mais Punidos do que Não-Líderes: O Papel da Gravidade do Desvio Comportamental”, em português). “Mas geralmente se espera que os líderes ideais ajam de forma responsável e justa. Por isso, quando cometem desvios graves –que causam danos reais a outras pessoas–, suas ações passam a ser vistas como atos que contrariam as expectativas em relação ao papel de um líder”.

Pesquisas anteriores sugerem que poder demais pode levar a comportamentos socialmente inapropriados e imorais. Na verdade, há evidências que sugerem que esse tipo de comportamento abunda entre pessoas poderosas, uma vez que romper regras, correr riscos de forma agressiva e agir de maneira incontrolada são traços relacionados a líderes de sucesso e, por essa razão, são aceitos até que se tornem graves demais para serem ignorados. Para que o comportamento questionável seja considerado severo, ou dentro das normas da sociedade, é preciso conhecer o nível de danos que os atos causam às outras pessoas, afirmou Karelaia. Portanto, esses dados são subjetivos e abertos à manipulação, o que dá à mídia muito poder em relação à forma como os líderes são punidos.

Basta ver o exemplo de Rupert Murdoch, CEO da News Corporation, o conglomerado de mídia global. As táticas operacionais adotadas por sua empresa praticamente não foram supervisionadas, o que levou repórteres a espionarem as vidas privadas de estrelas de cinema e de políticos em busca de escândalos. Embora as “vítimas” em questões fossem figuras públicas e, portanto, legalmente sujeitas ao escrutínio público, os repórteres passaram dos limites. Quando foram feitas acusações a respeito do uso de escutas telefônicas na casa da família de uma criança assassinada, a condenação pública levou a uma investigação oficial a respeito das táticas utilizadas.

Isso também explica porque os chefes de alguns bancos sobrevivem a escândalos, como no caso de Jamie Dimon, do J.P. Morgan Chase, ao passo que outros, como Bob Diamond e Marcus Agius, respectivamente CEO e presidente do Barclays, não têm a mesma sorte. Quando foi revelado que o Barclays e outros grandes bancos haviam tentado manipular a taxa de juros LIBOR, afetando milhões de pessoas e trilhões de dólares em empréstimos estudantis, hipotecas e cartões de crédito, Diamond foi obrigado a se demitir.

Participantes de ambos os exercícios vieram da França e dos Estados Unidos, países onde pesquisas sugerem que o conceito de liderança seja glorificado.

“Em culturas onde se espera que líderes sejam mais humildes e modestos”, acrescentou Karelaia, “imagino que os líderes sejam punidos com ainda mais severidade por desvios extremos”.

Em casos nos quais os líderes são mulheres, é possível que o sentimento de traição e a punição sejam ainda maiores, em vista do estereótipo de que elas são pessoas que tomam conta das outras.

A governança corporativa evoluiu durante a última década e os líderes agora acham mais difícil transferir a responsabilidade por seus erros a advogados e especialistas financeiros. Ainda assim, muitos recebem polpudos pagamentos rescisórios depois de deixarem seus cargos e parecem imunes a maiores punições.

“Eu prefiro pensar que essas descobertas farão com que as pessoas pensem a respeito das consequências de maus comportamentos por parte de líderes”, afirmou Karelaia. “Se continuarem cometendo pequenas transgressões, os líderes podem abrir um precedente para outras pessoas na empresa. Quando o líder não é punido por algo que não é muito ético, a cultura de uma empresa pode se deteriorar e o comportamento antiético pode se tornar a regra.”

(Jane Williams é editora da Knowledge Arabia, uma empresa de consultoria com sede em Amã.)

 

Fonte: Uol

As perguntas mais absurdas já ouvidas por recrutadores.

Confira algumas “pérolas” ditas por candidatos a oportunidades profissionais, segundo pesquisa feita com executivos de recursos humanos pela OfficeTeam.

size_590_assustado-_chocado

Ao deixar um espaço para o candidato a uma oportunidade profissional tirar dúvidas, o recrutador, geralmente, espera ouvir questões relacionadas à cultura da empresa, ao estilo de gestão do novo chefe ou à possibilidade de ascensão na carreira. Mas nem sempre é o que acontece.

É certo que algumas perguntas que não são muito adequadas nem recomendadas pelos especialistas em recrutamento. Mas, existem outras que podem enterrar de vez qualquer chance de ser contratado.Esse é o caso das questões apresentadas aqui.

A equipe da OfficeTeam – braço do grupo Robert Half especializado em recrutamento de profissionais qualificados para o setor administrativo – entrevistou 650 executivos de recursos humanos dos Estados Unidos e Canadá para saber quais foram as perguntas mais absurdas que já saíram da boca de candidatos durante entrevistas de emprego. O resultado é um festival de bizarrices capaz de deixar de cabelo em pé até o mais compreensivo recrutador. Confira as “pérolas”:

Perguntas
1. Que emprego é esse?
2.Você sairia comigo?
3. Você quer uma carona no meu carro novo?
4. Qual a cor da parede deste escritório?
5. Meu marido pode terminar a entrevista no meu lugar?
6. O chefe é solteiro?
7. Você tem um emprego para o meu parceiro?
8. Como são as mulheres que trabalham aqui?
9. Vocês permitem sonecas durante o expediente?
10. Posso receber o pagamento adiantado?
11. Posso colocar minha mesa perto da cafeteria?
12. Você pode me ajudar a encontrar um apartamento?
13. Você pode me ajudar com este teste?
14. Posso tirar folga todas as terças-feiras?
15. A partir de quando posso tirar férias?
16. Posso tirar três semanas de férias a cada três meses para investir na minha carreira musical?
17. Posso tirar folga no dia do meu aniversário?

Fonte: Exame. Abril