Dê adeus à zona de conforto

Não existe nada mais degradante do que ser escravo da zona de conforto proporcionada por um trabalho que não faz o ser humano evoluir

Uma boa parte das pessoas que conheço tem um desejo profundo, por vezes secreto, de empreender, trabalhar por conta própria, ser dona do próprio nariz. A maioria sonha em ganhar milhões de reais, criar algo de valor, tornar-se independente financeiramente.

Empreender é uma virtude que não dá em árvores. Qualquer ideia precisa ser cultivada, regada e admirada com paciência para ser colhida no tempo certo e é justamente esse tempo que a maioria não consegue administrar.

O mundo moderno é imediatista, tudo é para ontem, o maior lucro possível hoje, no dia seguinte, no mês seguinte e, por conta disso, o processo de maturação da ideia acaba se perdendo, pois as regras básicas da administração são atropeladas.

Muitas pessoas querem empreender, mas falta-lhes coragem para quebrar o modelo mental adotado desde o dia em que decidiram trabalhar como empregados, o que torna ainda mais difícil a ruptura. Não foi diferente comigo, é um processo longo e doloroso.

É preciso ter coragem para deixar as benesses do vínculo empregatício: salário fixo, plano de saúde, décimo terceiro, vale-refeição, carros, bônus etc. O feitiço das organizações é imenso e a maioria não sabe como lidar com isso. A zona de conforto não é uma opção, mas tende a ser inevitável.

O lado bom de tudo isso é que são poucas as pessoas que desistem de sonho depois de mergulhar de corpo e alma para torná-lo realidade. Da mesma forma que o emprego fixo vicia, trabalhar por conta própria também vicia e acaba se tornando um desafio, do qual não queremos abrir mão, seja por orgulho ou pela própria vontade de prosperar.

Seja qual for o seu negócio, ele vai exigir uma estratégia de concepção, amadurecimento e consolidação em determinado período de tempo. Lembre-se: o tempo não dá saltos, então, é necessário paciência para cumprir cada etapa da melhor maneira possível.

A fase da CONCEPÇÃO está dividida em duas etapas: 1) Objetivo claro: em que negócio (segmento) você está, o que você realmente vende (produto), qual é o seu público-alvo? 2) Obstáculos a serem superados: capital de investimento e capital de giro, local, equipe, tudo isso suportado por um bom plano de negócio.

A fase do AMADURECIMENTO (maturação) está dividida em três etapas: 1) Desastre: pouco menos da metade dos negócios prospera após o primeiro ano, portanto, se você estiver do lado mais feliz, não olhe para trás. 2) Reflexão: como você chegou até aqui, quais são os pontos fortes e fracos, o que ainda falta para melhorar. 3) Dilema: não consigo evoluir, o negócio estagnou, não era isso que eu imaginava, eu coloquei muito dinheiro no negócio. 4) Decisão: persistir ou desistir? Vale a pena continuar investindo dinheiro em algo que não tem futuro?

A fase de CONSOLIDAÇÃO é mais simples. Se você conseguiu resistiu a todas as tentações e superar todos os obstáculos, é hora de pensar no crescimento e na maneira de tornar uma referência no mercado para nunca mais perder a posição que você conquistou.

O mercado é cruel, quando você pensa que está bem, o concorrente copia descaradamente e aperfeiçoa o que você levou anos para consolidar, mas isso faz parte do seu processo de amadurecimento e da sua liberdade. Não existe nada mais degradante do que ser escravo da zona de conforto proporcionada por um trabalho que não faz o ser humano evoluir.

Pense nisso e empreenda mais e melhor!

Fonte: administradores.com.br

O ótimo vendedor nasce pronto?

Veja dicas para que profissionais que trabalham com vendas melhorem o desempenho no dia a dia

O trabalho como vendedor nunca foi algo extremamente fácil. É claro que faz parte da vida das pessoas comprar coisas, das mais simples aos artigos de luxo, e são esses profissionais os grandes responsáveis por ajudar o consumidor a encontrar os produtos que mais atendem ao estilo de vida de cada um. Certamente, uma profissão que merece muito mais crédito do que recebe e poucos sabem que há muito estudo, preparo e paixão nos bastidores das vendas.

Por todos esses motivos, o especialista em atendimento ao cliente, gestão de pessoas e palestrante Alexandre Slivnik explica que para ser vendedor, não é necessário apenas o famoso talento “nato”. “Com certeza muitas pessoas têm uma aptidão extra com vendas, mas assim como qualquer outro trabalho, é possível adquirir os conhecimentos necessários através de estudos para ser um ótimo vendedor. Minha recomendação é que os interessados em seguir essa carreira busquem bons conteúdos em livros, vídeos e treinamentos. Dessa forma é muito mais fácil alcançar sucesso”, conta.

Estudo é um dos principais meios para alcançar o objetivo de quem atua neste segmento. É essencial conhecer profundamente as características do que se pretende oferecer, entender quem são os clientes e suas necessidades. Essa é uma regra de ouro. “Só assim, será possível fazer a diferença no dia a dia das pessoas que consomem”, afirma Slivnik.

Ser persistente pode fazer parte do jogo e sempre foi um recurso muito utilizado, porém é preciso ter cautela. “Ao insistir demais, o vendedor pode ser visto como chato. Caso o cliente dê alguma abertura, essa ferramenta pode ser útil. Do contrário, depois da segunda ou terceira tentativa sem sucesso, talvez o melhor seja observar e ter um comportamento mais receptivo”, recomenda o especialista.

Alexandre defende que a satisfação do cliente é algo extremamente importante para a empresa, já que é a fidelização que gera perenidade, mas isso só é possível se os colaboradores forem engajados e comprometidos, afinal, são eles os principais responsáveis pelo atendimento. “Os vendedores só conseguirão entender a necessidade do seu público ao entender a importância do seu trabalho”, o palestrante afirma.

Uma das dicas para os responsáveis por acompanhar métricas de colaboradores é pensar em metas ambiciosas, mas que possam realmente ser atingidas pela equipe. Além de promover o crescimento contínuo, esse é um dos fatores que ajudam a manter o time motivado. A grande fórmula para obter sucesso em vendas é unir meta, motivação e reconhecimento para gerar resultados.

Torne-se um vendedor de destaque

Como dar os primeiros passos como vendedor? Como construir o posicionamento no mercado e tornar-se uma referência? Como começar a gerar vendas? Essas são apenas algumas das perguntas que o especialista em vendas Alberto Júnior responde no programa Profissão Vendedor.

Fonte: administradores.com.br

O que são os desalentados?

Qual o impacto disso na sua vida?

Segundo dados da FGV IBRE, o número de pessoas desalentadas no Brasil mais do que dobrou neste segundo trimestre de 2019 em relação ao ano de 2012. Dados do IBGE apontam que hoje são cerca de 4,9 milhões de pessoas nessas condições e afetam sobretudo aquelas que vivem em condições de vulnerabilidade social. Essa pesquisa tem o propósito de compreender o perfil, como estão distribuídos e os motivos que os levaram a esse nível de desalento.

O que é desalentado?

De acordo com o dicionário online de português, trata-se de um adjetivo destinado a quem está desprovido de alento ou ânimo; sem forças para agir; sem coragem; desanimado ou desesperançado, indivíduo cansado ou estafado. Resumindo: Trata-se daquelas pessoas que desistiram de procurar emprego.

Quem são os desalentados?

Dados dessa mesma pesquisa apontam que a grande maioria dos desalentados no país estão na região nordeste, cerca de 60%, originado pelo fechamento de inúmeros postos de trabalho, sendo os jovens, as mulheres e as pessoas com baixa escolaridade os mais afetados. Jovens, com idades entre 14 e 23 anos (33,5%), enfrentam grande dificuldade para entrar no mercado de trabalho pela falta de experiência profissional, além de outros fatores, como o comportamento, por exemplo, e quando tem uma necessidade de redução no quadro de funcionários, são os mais vulneráveis para demissão. As mulheres (55,2%), engrossam essa estatística por conta das obrigações domésticas e vínculos familiares já que normalmente, é quem cuida das crianças ou idosos no lar. Pessoas com baixa escolaridade (41,2%), aqueles com ensino fundamental incompleto, ocupam uma grande parcela de desalentados, porque o mercado está cada dia mais exigente, na qual mesmo aquelas atividades operacionais mais básicas, é exigido, no mínimo, o ensino médio completo.

Quais as causas desse grande contingente de desalentados?

O período de recessão no país, que já dura mais de 5 (cinco) anos, levam ao enfraquecimento da economia. Isso gera escassez de emprego e uma inércia no mercado, que, com dificuldade de reação, forma um círculo vicioso culminando na escassez de oferta de emprego formal e alta rotatividade nos quadros das empresas.

Como os desalentados afetam a economia?

O quadro acima leva a um significativo aumento de trabalho com vínculos desestruturados (sem carteira assinada e direitos trabalhistas) ou informais, como é o caso dos motoristas e entregadores de aplicativos. E para agravar ainda mais a situação, se de um lado o mercado não está preparado para absorver toda essa demanda de desempregados, por outro, a ausência de qualificação adequada e dificuldades comportamentais ligadas ao trabalho em equipe, iniciativa e engajamento leva muitos a tornarem-se desalentados estagnando assim, a economia local.

Como superar a condição de desalentados?

Um caminho é o empreendedorismo, dados apontam que cerca de 37,5% das empresas nascem da necessidade de produção para assegurar o sustento familiar. Outra opção:

• Estude, por mais difícil que possa estar o mercado, jamais deixe de estudar;

• Tenha o seu currículo muito bem elaborado e com informações de contato atualizadas, evite endereços de e-mail ou redes sociais com apelidos;

• Invista constantemente em cursos para desenvolver as suas competências profissionais;

• Cultive a sua rede de relacionamentos, o networking é o que vai lhe tirar do sufoco em um menor espaço de tempo;

• Seja proativo, ao invés de mendigar uma oportunidade de emprego, crie-a oferencendo ajuda, sendo útil. Comprometa-se!

• Cuide da saúde física, mental e espiritual;

• E, por fim, vença a preguiça! Vá a luta!

Fonte: administradores.com.br

Recrutamento e Seleção: Mentiram para você!

Pare de gastar com tudo o que dizem que será bom, e comece a montar seu networking hoje.

Vivemos hoje, a geração do consumismo, uma sociedade incentivada a gastar e gastar, e quando nada der certo, gaste de novo.
Gastamos porque sobrou um dinheirinho, gastamos porque ainda tem limite no cartão, gastamos porque estamos tristes, gastamos porque estamos com raiva, gastamos porque queremos ser alguém na vida.
Isso mesmo, gastamos porque queremos ser alguém na vida, e essa é a motivação deste artigo.

De 2008 até os dias de hoje fomos motivados ao consumo, facilidade em financiamento de casas, de carros, empréstimos, liberação de cartões de créditos e etc. O governo deu o peixe para o povo, mas não ensinou o povo a pescar.

Você já viu alguma propaganda do governo sobre o tesouro direto, na tv, facebook e etc? Eu ouviu falar do tesouro direto, em uma aula de finanças na faculdade, mas e as pessoas que não fizeram faculdades voltadas para finanças ou as que não fizeram faculdades? Elas não deveriam saber que existe um programa do governo que remunera pouca coisa melhor do que a poupança?
Ah, quando reduziu os impostos para comprar carro novo, de hora em hora passava propaganda na TV.
Somos um povo acostumado a gastar mais do que recebe, e a não investir nada para nosso futuro. Logo quando vem uma bolha de inflação, e as pessoas não conseguem honrar suas dívidas, vem o grande desespero e revolta. Vender os bens, perder qualidade de vida.

Tem uma frase do coringa que diz: “Se você é bom em algo, nunca faça de graça.”
E nesse sentido todos querem uma parte da torta, todos querem receber por qualquer coisa que façam.
“Se for grátis, desconfie!”
Nesse sentido, vejo um grande perigo para area de carreira profissional.
Pessoas que cobram e prometem te auxiliar a conseguir um bom emprego.
“Vamos trabalhar seu currículo, seu perfil do linkedin, e logo logo você estará empregado!”.
São tantas seduções que nos leva a gastar dinheiro. Existe uma máfia atrás de todas essas mentiras.
“Faça CPA 10, 20 etc e esteja 02 passos a frente” “Conta premium e descubra 30 erros no seu perfil”

Você rala para fazer um MBA e agora as pessoas dizem que MBA não é diferencial mais.
Uma vez me perguntaram se meu MBA era presencial ou a distância, me senti um pouco ofendido com isso, ainda mais por saber que na empresa tem várias pessoas que fizeram faculdade a distância. E a recrutadora estava preocupada se a minha pós era a distância? Achei estranho.
Me falaram que MBA já não tem muito valor, o que manda agora é mestrado.
Sabe quanto custa um mestrado na FGV? Mais de R$ 100.000,00 parcelado em 36 parcelas sem juros. Ganhe uma bolsa para mestrado, só que você terá aulas todos os dias a noite. Não estou querendo colocar dificuldade, mas voltar a estudar todos os dias a noite, trabalhar o dia inteiro, dar atenção para esposa e filhos. Quem está começando a carreira é ótimo, mas para muitos de nós, o tempo e o dinheiro para tal investimento é diferente. Fora o mestrado que é quase que específico para ser professor. A maioria dos administradores de empresa hoje, nem graduados são, para que o mercado está exigindo mestrado?

Outra coisa, utilizando a ferramenta de vagas do linkedin, eu acreditava que era só escolher uma vaga disponível e se candidatar. Surpresa!
Um pequena quantidade de vagas realmente é assim, mas a grande maioria você é encaminhado para outra página a qual deve se cadastrar e pagar um plano semestral ou anual.
Se eu escolher 10 vagas terei que fazer um plano anual em 10 sites diferentes? Se der sorte, algumas estão no mesmo site.
Isso é uma exploração da boa fé das pessoas, principalmente de quem está desempregado.

Um vez paguei para deixar meu currículo em uma empresa física, depois de muito tempo sem receber nenhum contato, me ligaram, falaram que era uma oportunidade ótima para mim, tinha tudo haver comigo. Me arrumei, coloquei minha melhor roupa, fiz a barba, tudo como é de praxe.
Fiquei uma hora sentado após o horário combinado. Eu e mais três pessoas. ficamos sabendo que já havia alguém sendo entrevistado e que ela era “Favorita”. Como assim favorita??? Resumindo, quando saíram da sala, estavam todos contentes, e para não perder o tempo deles, porque o nosso não parecia ser importante, resolveram fazer uma entrevista geral com todos. Confesso que foi minha pior entrevista, eu mal respondi o perguntado. Sabíamos que estavam só tentando justificar o nosso tempo ali. Logo, perdi tempo e dinheiro. Desempregado perdi tempo e dinheiro.

Mas as pessoas dizem que temos que investir se quisermos nos destacar.
Você gasta tempo e dinheiro e mesmo assim parece não funcionar.
Quero dizer o seguinte, o linkedin é uma ótima ferramenta, mas tem que saber usar. Não pode esperar ficar desempregado para entrar no linkedin, tem que ser antes, você tem que ser visto. Não é só criar uma conta e nunca mais entrar. Você tem que movimentar sua conta, ser visto, interagir com as pessoas, mostrar o que você realmente é.

Ficar de olho nas vagas. Se tem condições de uma conta premium, faça-a, mas não deposite suas esperanças nisso, pois é uma forma de gastar mais dinheiro e provavelmente não dará sucesso.
O sucesso no mundo das carreiras profissionais, é você ter uma Networking (rede de contatos), esse é o segredo que poucos vão te contar. Não estou dizendo para você fazer amizade por falsidade ou interesse, mas você se aproximar de pessoas que pode te levar além.

Conhece alguém bem sucedido, o que ele faz, com quem ele anda, onde ele frequenta, e comece a fazer coisas semelhantes. Não precisa ficar amigo de ninguém por interesse, pra isso já existem os puxa sacos, mas troque uma palavra com essas pessoas, faça uma amizade verdadeira e positiva com essas pessoas.

Tem muito banco hoje que diz receber currículos apenas pela internet, você acredita mesmo nisso?
QI: quem indica! No mundo dos negócios o “quem indica” tem um poder muito grande, e novamente não se trata de ser falso com ninguém, se trata de criar vínculos positivos com pessoas que podem te fazer crescer.

Os bancos postam vagas hoje mas que na verdade já estão preenchidas. Porque?
É uma fachada para parecer uma empresa boa, que sempre tem oportunidades, que disponibiliza as vagas pela internet. Mais uma mentira que conta para nós. Não chega a ser 100% fachada, essas vagas existem, mas são disponibilizadas primeiramente para concorrência dentro da própria agência. Se a vaga é interna para que divulgá-la externamente? Se ninguém interno for apto, aí sim divulga externamente. Poupe o tempo de pessoas que querem realmente crescer e tem o sonho de trabalhar com vocês. Sejam mais integradas agências!
Me diz com quem tu andas que direis quem és… isso é verdade. Cuide do seu networking.

Eu já apanhei muito na minha vida profissional, porque eu lutava da maneira errada, e quero ajudar a você lutar certo. Em outubro de 2018, vi uma mensagem no linkedin que me comoveu e tem me inspirado a continuar a escrevendo sobre carreira.
A moça dizia com revolta, que tinha faculdade, tinha pós, tinha CPA, entre tantas coisas que diziam que ajudava a dar um passo à frente, mas ela não conseguia um bom emprego. Eu pensei, cara, já passei por tudo isso. E como tem muitas pessoas que ainda passam por isso.

Gente, investir em você é maravilhoso, mas pare de gastar dinheiro com curso que recrutadores ficam postando na rede e investe esse dinheiro em um barzinho, onde os empresários da sua cidade vai toda semana tomar uma para relaxar.
Vá fazer uma academia, onde os empresários fazem. Puxe assunto, seja visto, cedo ou tarde, a pessoa irá querer saber quem é você, e o que faz, e são essas pessoas que te ajudaram a ter uma posição de sucesso.
Acredito em mérito pessoal sim! Mas, e principalmente, em cidade pequena ou onde você não conhece ninguém, dificilmente encontrarás emprego. Muitas pessoas reclama de funcionários incompetentes, mas porque não contratam o competente?
Porque o incompetente foi indicado por fulano e o competente não conheço o trabalho dele. O currículo é bom, mas fico com a indicação dos meus amigos.

Você pode não concordar com o que eu disse, talvez você seja um em mil que consegue emprego BOM, por méritos pessoais, mas a grande maioria que torra o dinheiro em curso, que faz tudo o que os recrutadores dizem ser bom e não conseguem um emprego, eu digo, reveja seu networking.
Pessoas que investem em cursos não tem tempo de bajular e nem de tentar forçar uma amizade em um barzinho, elas querem crescer por méritos próprios. Então elas investem pesado em cursos, mas nosso país, a cultura vigente é a do “quem indica”.
Tantos recrutadores falaram tantas coisas para você que não deu certo, vou te dar o meu testemunho de exemplo, o meu caráter nunca me permitiu parar de investir em cursos, mas o que me ajudou foi o networking.

O networking para gente oportunista é bom, mas o networking para gente que busca crescer na vida pelos próprios méritos é fantástico. Porque é a certeza de que você não é só um oportunista, mas uma pessoa que investe pesado em si próprio, e o que podemos esperar de uma pessoa que investe pesado em si próprio, se não grandes cosas?
Não custa nada você tirar pelo menos esse primeiro semestre de 2019 para investir tempo e dinheiro em networking, cursos sempre vão ter, e sempre terá um curso melhor do que eu você fez.

Tikun Olam
Adm. Patrick Lopes

Fonte: administradores.com.br

Saiba o momento certo de buscar um objetivo

objetivos podem ter momentos-chave para serem buscados ou iniciados

Muitas pessoas estão acostumadas a pensar em grandes objetivos principalmente quando o ano está terminando. Assim, tentam se preparar para os desafios e, claro, a busca da felicidade no ano seguinte. Existe um motivo para isso ocorrer.

Os pesquisadores Hengchen Dai, Katherine L. Milkman e Jason Riis, da Wharton School, encontraram evidências, em uma série de estudos realizados, de que objetivos criados para terem sua realização iniciada em datas-chave criam períodos de maior comprometimento mental.

Isso ajuda a distanciar o presente de momentos de imperfeições (ou não realizações) do passado. Por exemplo, nos estudos realizados, as pessoas mostram-se mais dispostas a fazer exercícios físicos não apenas no início de um novo ano.

Datas comemorativas importantes, como o aniversário, ou que indicam o início de algo, como o início da semana, do mês, do semestre, também causam um maior engajamento em atividades e mais comprometimento.

Não é à toa que inconscientemente muitas pessoas aguardam estes marcos importantes para iniciarem algo relevante para sua vida. O problema é que muitas desistem quando entram na rotina, quando não conseguem atingir o objetivo ou quando sentem que ele está muito distante.

No mundo corporativo, os objetivos são transformados em metas e marcos que são divididos ou compartilhados com os vários setores e em períodos mais curtos. Se os resultados não aparecem, sempre vai haver cobranças.

Na vida pessoal, o primeiro interessado nos objetivos é você mesmo. Mas, hoje em dia, todo mundo parece querer resultados rápidos para tudo. Isso é impraticável. Receitas milagrosas surgem todos os dias para resolver de tudo.

Inconscientemente, sabemos que não existe mágica para grandes conquistas. Há que se preparar, que buscar conhecimento, dedicar-se, ralar muito para, então, chegar ao tal objetivo.

Mas o problema maior em definir e buscar objetivos é a confusão que se faz com o momento exato de sua realização.

Muitos vinculam a realização dos objetivos apenas e somente quando são concretizados à risca e no prazo estipulado. Por isso, muita gente desiste da busca, principalmente quando os objetivos são difíceis ou demasiadamente ousados.

O segredo que os mais experientes nesse tipo de empreitada compartilham é curtir o processo, a jornada, buscar momentos de prazer durante a caminhada e não apenas no momento da concretização.

Os objetivos podem ter momentos-chave para serem buscados ou iniciados, mas se você não relaxar e não entender que não basta comemorar apenas o momento da grande vitória, a felicidade vai ficando cada vez mais difícil de ser encontrada.

Fonte: administradores.com.br

As empresas estão a procura de um candidato unicórnio?

Ou como se tornar um profissional competitivo em um cenário de alta concorrência

Tente imaginar um perfil: profissional de até 30 anos, fluência em três idiomas, vivência internacional, muita experiência no currículo, diversas formações e qualificações, resiliente, com espírito de liderança e inovação. Seria esse o candidato unicórnio? Com uma busca incessante pela contratação “perfeita”, recrutadores esbarram em diversos desafios, dentre eles equilibrar as exigências da empresa e encontrar o melhor candidato. Mas afinal, em um cenário de alta concorrência, como profissionais podem se preparar para o mercado de alta performance?

Para a profissional Bianca Machado, gerente sênior de Catho, candidatos unicórnios existem, apesar de raros e muito concorridos. “Esse colaborador é conhecido por oferecer grandes qualidades em suas entregas, sendo esse um dos maiores benefícios para a empresa. Além disso, ele se adequa perfeitamente ao ambiente organizacional, é altamente motivado e compartilha isso em equipe. O sonho de todo recrutador”, afirma Machado.

Geralmente cobiçados por startups e empresas ligadas à área de inovação, os unicórnios dificilmente estão disponíveis no mercado de trabalho. Nesse cenário é possível identificar: recrutadores em busca de um profissional de alta performance, bem como diversos profissionais em busca de uma oportunidade de emprego.

Para se tornar um unicórnio no mercado de trabalho, Bianca Machado listou quatro dicas para candidatos em busca de colocação e recolocação profissional:

O mundo é VUCA, adapte-se a ele: em tradução literal, a sigla VUCA significa volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade, quatro características marcantes do mundo globalizado e também do mercado de trabalho. Ou seja, atributos necessários para suprir a falta de previsibilidade no mundo dos negócios. Sendo assim, profissionais que estão preparados para lidar com mudanças e condições inesperadas, bem como propor soluções fora do esperado tradicional, com certeza se destacam aos olhos do recrutador.

Intensifique a aquisição de certificados e treinamentos: para deixar o seu currículo mais atrativo, aposte na qualificação que trará os conhecimentos necessários para o plano de carreira que se almeja alcançar. Há hoje diversas caminhos para isso, dentre eles, cursos presenciais, onlines, de curta ou longa duração. O importante é que esse profissional esteja preparado para a sua área de atuação.

Aprimore o segundo idioma e/ou terceiro idioma: sempre exigido em processos seletivos e currículos, o inglês já provou sua importância para a formação dos profissionais brasileiros. Para além disso, o idioma também traz impactos direto na remuneração desses profissionais. Segundo dados da 58º Pesquisa Salarial da Catho, a fluência de um segundo idioma chega a aumentar o salário em até 72% no caso do inglês e 59% no espanhol. O profissional que deseja se manter competitivo precisa do auxílio de um idioma estrangeiro.

Se ausente um pouco da internet: O JOMO (Joy of Missing Out) é a sigla que expressa a alegria de não estar tão conectado assim nas redes sociais. O termo pode ser adotado como um verdadeiro estilo de vida, afinal, o tempo que você estará fora das redes poderá ser utilizado para outras coisas, muitas das vezes, produtivas. Cursos, exercícios físicos, dentre outras atividades, podem ser utilizadas de forma muito mais potente na vida pessoal e profissional.

Fonte: administradores.com.br

5 dicas para conseguir um emprego depois da faculdade

Você utiliza palavras-chave em seu currículo? Confira essa e outras dicas para se preparar e ingressar no mercado de trabalho

 

Receber o diploma universitário é uma grande conquista. No entanto, o próximo passo pode parecer assustador: conseguir um emprego depois da faculdade. A menos que você já tenha algumas oportunidades garantidas, provavelmente será preciso se preparar para conseguir o primeiro emprego efetivo.

O site de empregos Indeed reuniu cinco dicas para ajudar os candidatos a conseguir seu primeiro emprego. Confira a seguir!

Pesquise possíveis planos de carreira, empregos e empresas

Há várias maneiras de aplicar o que você aprendeu na faculdade. O mercado de trabalho muda frequentemente, e as diferentes habilidades desenvolvidas ao longo de seus estudos podem ser muito valiosas, mesmo em setores que você ainda não considerou para seu plano de carreira. Comece pesquisando quais empregos estão disponíveis e escolha aqueles que correspondam ao seu conjunto de habilidades e interesses. Conheça mais sobre empresas que lhe parecem interessantes. Saber como é trabalhar em uma empresa pode ajudar a determinar o lugar certo.

Crie sua rede de contatos e tenha referências

Construir uma rede de contatos é um passo importante na busca por emprego. Comece com sua família e amigos. Mesmo se você já conhece muito bem essas pessoas, pode se surpreender com o que aprende quando começa a fazer perguntas focadas nas habilidades, experiências e caminhos que de suas carreiras.

Além de seus laços mais próximos, considere participar da rede de ex-alunos de sua faculdade e eventos e feiras dos setores que tem interesse. Para feiras de emprego, em particular, é importante não apenas conversar com potenciais empregadores, mas também com outros candidatos. Você poderá se beneficiar no futuro quando esses novos amigos encontrarem empregos nas empresas em que você está interessado. Muitos empregadores valorizam referências de funcionários existentes para preencher vagas em aberto.

Adapte seu currículo para as diferentes vagas

Depois de restringir um conjunto de empregos atraentes para você, observe as palavras-chave que aparecem nas descrições de vagas. Que tipos de habilidades e atributos os empregadores procuram e que termos eles usam? Inclua essas mesmas frases ao descrever suas qualificações. Isso é importante porque muitos empregadores usam um software chamado Sistema de Rastreamento de Candidatos (ATS, na sigla em inglês) para classificar as candidaturas recebidas com base na relevância, e um sinal importante de relevância são as palavras-chave que correspondem à descrição do trabalho.

Se você está se candidatando a empregos com palavras-chave diferentes, crie várias versões do seu currículo para poder explorar as habilidades mais relevantes em cada candidatura. Como você se formou recentemente, os empregadores estarão interessados em um resumo de sua educação. Faça desta uma das primeiras seções do seu currículo.

Atualize suas redes sociais

Se você possui perfis de mídia social, agora é a hora de analisá-los e determinar se eles podem ter um impacto negativo em sua busca de emprego. Muitos empregadores analisam as contas de possíveis funcionários nas mídias sociais. Verifique suas configurações de privacidade e oculte ou remova qualquer coisa que possa deixar uma má impressão sobre você.

Também vale incluir mais conteúdos que representem suas habilidades e interesses, por exemplo, começar a seguir líderes do setor ou empresas que lhe interessam, postar sobre desenvolvimentos interessantes nesse setor ou participar de conversas e grupos relacionados à profissão que deseja seguir.

Pratique suas habilidades de entrevista

Para muitas pessoas, fazer boas entrevistas é uma habilidade que melhora com a prática. Você pode se preparar para ter sucesso começando a praticar para entrevistas mesmo antes de ter uma. Embora não seja possível saber exatamente o que você será avaliado em cada entrevista, existem várias maneiras de se preparar para ter a melhor aparência possível e responder bem às perguntas.

Pratique linguagem corporal uma confiante; se você tem problemas com pontualidade, comece a ajustar seu tempo conseguir chegar no horário, mesmo ao encontrar amigos; e prepare-se para as perguntas frequentes, assim você se acostuma a responder de uma maneira que ajude os empregadores a entender seu histórico e estilo de trabalho.

Invista em seu futuro profissional

Fonte: https://administradores.com.br