Qualidade e produtividade se aprende na prática. E isso faz toda a diferença!

Há muito conhecimento no mercado. Só que isso não basta! A teoria é importante, mas ela fundamenta a ação, a prática

Nunca se falou tanto em Produtividade no Brasil. A demanda crescente de processo eficientes e enxutos, principalmente com o avanço de startups que crescem rumo a se tornarem unicórnios, abre oportunidades para inovações no gerenciamento de processos com foco em Qualidade. No entanto, ainda há uma deficiência nos processos, prioritariamente geradas pela falta de especialização técnica em ferramentas modernas.

Sim, há muito conhecimento no mercado. O que não faltam são livros, artigos, vídeos no Youtube, tutoriais e outros conteúdos que dissertam sobre inúmeras variáveis de processos e importância de mindsets de inovação para o gerenciamento da Qualidade e aumento da Produtividade. Só que isso não basta! A teoria é importante, mas ela fundamenta a ação, a prática. É por meio da vivência que se descobrem acidentes de percurso, oportunidades de aprimoramento e expertise para improvisos disruptivos.

Tome as artes marciais como comparação. Há uma infinidade de informação a respeito das mais variadas modalidades, sejam elas eficientes ou não. Mas nunca um judoca, por exemplo, terá total consciência plena das técnicas se não for para o dojô treinar. O mesmo acontece com os processos de qualidade e produtividade. Para ser um campeão nas empresas, o profissional precisa treinar, treinar e treinar. Vivenciar problemas reais e utilizar métodos hands-on permitem o líder encarar desafios com um mindset de inovação realmente incorporado, não apenas creditado no currículo.

É esse o propósito do programa de cursos de capacitação Lean Seis Sigma da Fundação Vanzolini. Sua estrutura é baseada em treinamentos práticos alicerçados por vivências com profissionais experientes. Nos cursos de Green Belt e Upgrade para Black Belt você se especializa em metodologias DMAIC e aprofunda conhecimentos nas ferramentas Lean mais modernas. Nos cursos você tem a oportunidade de aprender na prática em laboratórios equipados com Minitab 17 para ter o know-how esperado pelas grandes empresas.

Identificar necessidades, desdobrá-las em oportunidades, analisar desempenho e melhorar processos são o básico esperado de um profissional de qualidade. Só que elevar os patamares de produtividade e inovar com projetos modernos para o futuro é uma característica que só a prática proporciona. E é isso que as empresas buscam!

Fonte: administradores.com.br

Anúncios

Redesenhe seu espaço de trabalho para ser mais produtivo agora em 2019

Cientista comportamental afirma que ambiente profissional deve ser confortável e compatível com as tarefas da equipe

Você costuma deixar a mesa do trabalho bagunçada? Tem dificuldades para encontrar um documento no meio de uma pilha de papéis? Se sim, é melhor prestar atenção porque sua produtividade pode estar comprometida.De acordo com Anja Jamrozik, cientista comportamental e consultora do espaço de coworking Breather, “quase toda mudança” que favoreça o rendimento do profissional pode ser feita na empresa.

“O espaço de trabalho é subestimado”, diz ela, à Fast Company. “Todo mundo presta atenção em colega de trabalho barulhento, por exemplo. Mas em uma escala mais ampla, geralmente não damos a atenção suficiente a como isso pode nos afetar durante o dia, a semana ou o ano.”

Jamrozik garante que o local de trabalho pode afetar nossa produtividade, desempenho, satisfação e humor. E para maximizar o rendimento, ela indica dois passos:

Compatibilidade do espaço com as tarefas
Primeiro, preste atenção ao tipo de tarefa que você realiza e se certifique de que o espaço de trabalho seja compatível com ele. Não dificulte suas tarefas. “Espaços diferentes são bons para tarefas diferentes”, diz Jamrozik.

“É mais fácil entender quando você pensa no ambiente doméstico”, compara “Você usaria a lavanderia como espaço de entretenimento, por exemplo? No escritório, é o mesmo. Os dois tipos mais comuns de tarefas são trabalho focado e trabalho colaborativo, e eles precisam de espaços que priorizem e otimizem a configuração de cada um.”

scritórios abertos podem ser um desafio, então faça o que puder para mitigar os danos. Por exemplo, para fazer reuniões por telefone, você pode precisar de um espaço privado para não atrapalhar os colegas, tampouco compartilhar as informações.

Conforto para trabalhar com prazer
O segundo passo para melhorar a produtividade é prestar atenção em como o ambiente afeta seu conforto. As pessoas têm um desempenho muito melhor quando estão confortáveis.

Um fator é a temperatura. “Quando você está com frio, você pode se distrair pensando nisso”, diz Jamrozik.

Se você não puder controlar a temperatura em seu escritório, crie seu próprio ambiente. “Você poder trazer algo para aquecer a cadeira, ou se sentir calor, traga um pequeno ventilador de mesa pessoal”, indica ela.

A iluminação também tem um papel importante. “O execesso de brilho pode dar dor de cabeça e atrapalhar a concentração”, diz Jamrozik.

Personalizar a mesa do trabalho também aumenta o conforto, mas o nível da decoração depende do trabalho que você executa e do tempo em que você fica alocado na empresa, pondera a consultora. A tendência de espaço de trabalho compartilhado também pode afetar sua capacidade de personalizar a área de trabalho.

Por fim, decida como (ou se) você luta contra a desordem. Pilhas de papéis ou uma abundância de coisas na mesa certamente afetam a produtividade – mas de forma diferente para cada profissional.

“Pessoas extrovertidas preferem mais informação visual em seu espaço”, avalia Jamrozik “Introvertidos, no entanto, geralmente optam por um ambiente livre de objetos”.

Fonte: epocanegocios.globo.com

4 dicas para lidar com um chefe que tem ideias novas toda hora

Para a gestora de tempo Elizabeth Grace Saunders, segredo é encontrar o tom ideal na tratativa com seu superior

Chefes visionários, que aparecem com ideias novas a cada momento, não são fáceis de lidar. Apesar do ânimo e entusiasmo motivarem a equipe a continuar inovando, por vezes a rotina pode se tornar cansativa. Prioridades que mudam a toda hora deixam qualquer profissional confuso. Também não é simples ver pessoas cheias de ideias, mas que nem sempre gostam de colocar a mão na massa e executá-las.

Por isso, o ideal é encontrar o equilíbrio entre incentivar novas ideias e pedir calma nas horas certas.

Elizabeth Grace Saunders é coach de gestão de tempo e especialista na questão. Em artigo publicado na Harvard Business Review, ela discutiu o tema e deu dicas para quem se vê nesse tipo de situação e não sabe o que fazer.

Abaixo, confira algumas recomendações de Elizabeth para você lidar com um chefe cheio de ideias:

Respeito
Um cuidado que os funcionários devem tomar é o de não começarem a desprezar a iniciativa do seu superior. Não é incomum quem pense que o chefe fala muito e faz pouco. Por isso, é importante parar e analisar as características e qualidades de cada um. Se a chefia aparece com uma ideia diferente a cada 5 minutos enquanto você se considera uma pessoa de atitude, talvez o ideal seja respeitar as diferenças e aproveitar as habilidades complementares.

Nem tudo precisa sair do papel
Se o seu chefe pensa em “100 ideias antes do café da manhã”, saiba que dificilmente ele vai conseguir acompanhar tudo que sugere. Por isso, coloque algumas delas em um termo que Elizabeth chama de “estacionamento” – ou uma pasta de e-mail para deixar o que provavelmente não vai dar em nada. Assim, você não descarta a ideia de uma vez, mas também não perde muito tempo com ela.

Argumente
Também não é incomum que os chefes esqueçam que a sua criatividade toma tempo. Por isso, Elizabeth indica que os funcionários usem como argumento o quanto tempo determinadas tarefas levariam para ser executadas. Quando a pessoa faz isso, as chances da ideia cair aumentam, pois o chefe verá os reais custos da iniciativa.

Seja um porto seguro
Para a especialista, chefes assim são mais distraídos do que parecem. Por isso, indica que os funcionários se transformem em um tipo de “porto seguro” dos seus superiores. Um dica da coach é convocar reuniões mensais ou trimestrais com seu chefe para definir as prioridades da empresa.

Fonte: epocanegocios.globo.com

Como render mais em menos tempo no trabalho

Especialista dá 5 dicas para a economia de tempo e aumento da produtividade

Você tem mais a fazer do que tempo disponível para todas as suas tarefas. A grande quantidade de afazeres exige que você aprenda a administrar melhor o seu tempo. Essa é uma descrição genérica, mas diz respeito a mais pessoas do que imaginamos.

Para ajudar com a rotina apressada e quantidade imensa de tarefas, Elizabeth Saunders, coach de gestão de tempo, escreveu para o Harvard Business Review mostrando 5 maneiras como você pode aumentar sua produtividade. Essas cinco estratégias podem ajudar na economia de horas de trabalho por semana. Veja:

#1 – Defina suas expectativas
Para todo tipo de atividade que for executar, definir quais são suas expectativas e, principalmente, as expectativas de terceiros a respeito daquilo. Sem isso, você pode acabar desperdiçando muito tempo dedicando-se a uma tarefa que não exige tanto esforço.
Nem todas as tarefas exigem uma análise e compreensão aprofundada — em muitos casos, basta executá-las. Mas, ao esclarecer o que é realmente necessário e a que nível, você pode economizar horas de seu tempo.

#2 – Recicle trabalhos
Outro detalhe que pode economizar horas e horas de trabalho é a reutilização de materiais antigos, quando possível. Procure, quando der, copiar, colar e editar materiais anteriores, mas que possam ser usados novamente. Isso se aplica a apresentações, e-mails, relatórios e propostas que, na maioria das vezes, querem comunicar coisas muito semelhantes.

#3 – Faça check-lists
Você pode criar uma check-list ou copiar uma já existente. Isso ajuda a verificar o que já foi feito e o que ainda há para se fazer. Você pode ordenar por data, ou até mesmo por prioridade. Mas o diferencial é poder organizar e programar-se com antecedência levando em consideração todos os seus deveres. A base desta dica é considerar a organização como um detalhe que otimiza tempo, pois você sempre saberá o que deve fazer a seguir.

#4 – Converse mais
Dialogar mais também ajuda a otimizar seu tempo. Por meio de uma conversa, você economiza o tempo que seria gasto, em vão, para textos escritos. Quando lhe for solicitada alguma tarefa, em vez de formular uma apresentação formal, experimente apenas anotar os dados e conversar sobre os resultados.

#5 – Pré-determine seu tempo
Estimar a quantidade de tempo que você deverá gastar em determinada tarefa pode também poupar precioso minutos. Dessa maneira, quando uma atividade extrapolar a quantidade de tempo destinada a ela, você pode dizer a si mesmo que deve parar e partir para outra coisa.

Em seu texto, Saunders ressalta que isso não impede que você execute tarefas no tempo exato determinado, mas ajuda com a organização e foco. Por esse motivo, é igualmente eficaz.

Fonte: epocanegocios.globo.com

Robô substitui recrutador em entrevista de emprego e avalia até o quanto o candidato sorri

Em uma rede hoteleira, dois terços dos 43 mil candidatos de um processo seletivo foram rejeitados durante entrevista por chatbot

Ao se candidatar a uma vaga na rede de hotéis Hilton Worldwide, três sistemas de computador diferentes avaliam sua inscrição antes que um ser humano olhe para seu currículo. Esse é o processo que Sarah Smart, vice-presidente de recrutamento global, descreve ao explicar como a cadeia de hotéis usa a inteligência artificial para eliminar milhares de candidaturas na área de atendimento ao cliente da rede.Primeiro, um sistema de rastreamento de candidatos pesquisa os currículos das pessoas por palavras-chave que correspondem à descrição do trabalho.

Em seguida, um chatbot realiza uma série de perguntas para se certificar de que a pessoa atende aos requisitos, como: “Você tem acesso à internet para ocupar posições remotas?”. Os que dizem sim são entrevistados, mas não por uma pessoa. O processo é feito com um aplicativo preditivo de inteligência artificial chamado HireVue, segundo reportagem da Fast Company. Fundada em 2004, a empresa de Salt Lake City arrecadou mais de US$ 90 milhões em investimentos.

O Hilton e o HireVue desenvolvem juntos as perguntas da entrevista. Todas as questões são projetadas para avaliar se o candidato é amigável e empático e se será bem-sucedido no posto que poderá ocupar.

Os candidatos gravam suas respostas na plataforma de vídeo da HireVue e, então, o algoritmo começa a funcionar. O sistema contabiliza quantas preposições você usa e é capaz de avaliar até se você sorri ou não.

O chefe de tecnologia da HireVue, Loren Larsen, diz que a ferramenta pode examinar cerca de 25 mil tipos de dados diferentes por vídeo, analisando as palavras, a voz e o rosto do candidato.

“Temos que começar explicando o que é necessário para ter sucesso na vaga”, destaca Larsen. “Quais são as competências que alguém tem que ter para fazer bem esse trabalho? Depois, quando você identifica essas informações, começa a entender: se empatia é uma característica crucial para a vaga, sorrir deve ser importante”. Por isso, o sistema estuda o rosto dos candidatos.

Mas esse sorriso — e quantas vezes você sorri — é o que determina se você consegue o emprego? Para a rede hoteleira, sim, pelo menos em parte. Desde que o Hilton se tornou cliente da HireVue, em 2014, 43 mil candidatos a emprego participaram de entrevistas por algoritmos. Dois terços — cerca de 28.667 pessoas — tiveram seus pedidos rejeitados sem serem vistos por uma única pessoa.

De acordo com Larsen, contudo, não é assim que a tecnologia deveria ser usada: “Nunca falamos de aprovação ou reprovação. O que passamos à empresa é uma pontuação do candidato”. As expressões faciais representam de 10% a 30% dessa classicação, variando de acordo com o pedido do empregador. O resto se baseia na linguagem usada pela pessoa, acrescenta ele.

Tanto Sarah quanto Larsen afirmam que a IA não está avaliando nada que um recrutador humano não faria. “Se eu entrasse e você estivesse me entrevistando para um trabalho, estaria prestando atenção nas mesmas coisas. A diferença é que algoritmos trabalham com um conjunto maior de dados”, afirma Larsen.

Para as 43 mil pessoas que utilizaram o sistema de recrutamento do Hilton, Sarah garante à Fast Company que o maior ponto positivo é que todos recebem o feedback do processo seletivo mais rapidamente: “Do ponto de vista comercial, a HireVue nos permitiu reduzir significativamente o período de seleção, o que é uma grande oportunidade de negócios para nós.”

Fonte: epocanegocios.globo.com

Como deixar qualquer viagem de negócios menos sacrificante

Tratar a oportunidade como aventura e conhecer pessoas novas são alternativas para que o trabalho se torne uma boa experiência

Londres (Reino Unido), Nova York (EUA) e Pequim (China). Os maiores centros de negócios do mundo costumam ser também destinos bastante cobiçados pelos turistas. Viajar a trabalho, contudo, pode ser uma tarefa difícil, quando não desagradável, para muitos profissionais. E o descontentamento não é a toa. Quem já viajou a trabalho sabe que é comum ter de buscar Wi-Fi para conseguir trabalhar ou não ter horário livre para conhecer a cidade.Segundo artigo de Stephan Spencer, autor do livro The Art of SEO (A Arte do SEO, em tradução livre) para o Harvard Business Review, alguns profissionais enxergam as viagens a trabalho como uma “maldição”. “Quando eu disse a alguns fundadores de startups em meados dos anos 90 que eu faria uma longa viagem de negócios para a Nova Zelândia, mais do que um previu a morte da minha empresa”, escreveu ele.

Na avaliação de Spencer, o ideal é que o profissional trate cada momento da viagem como uma nova aventura — interaja com o local, evite ficar on-line e, se possível, reserve um dia para conhecer o destino.

“Embora as dicas possam parecer uma boa maneira de perder o emprego, é possível fazer tudo isso e ainda aumentar a produtividade”, indica Spencer, que também é palestrante.

E se algo urgente aparecer enquanto você estiver viajando? Peça a um assistente virtual para lidar com isso, sugere. “Se você não puder contratar um auxiliar, peça para a pessoa para quem você viaja ajudar com indicações de lugares. Quando estive pela última vez na Romênia visitando um cliente, perguntei sobre seus restaurantes favoritos e coisas para fazer. Não só foi um grande quebra-gelo, mas me levou a ótimos lugares que eu nunca teria conhecido de outra forma.”

Mesmo em uma curta viagem de negócios, existem maneiras mais acessíveis de trazer a aventura de volta e reduzir o aborrecimento do trabalho. Algumas opções são se hospedar em hostels ou Airbnb, conhecer um museu depois da reunião e comer pratos diferentes todos os dias no almoço. “O importante é sempre tentar algo novo”, garante o autor.

Para Spencer, a aventura não é inimiga dos negócios. Pelo contrário. Lidar com o novo, conhecer culturas diferentes e improvisar em situações complexas são habilidades que os empregadores buscam em profissionais.

Fonte: epocanegocios.globo.com

5 dicas para cumprir suas metas em 2019

Cada decisão tem o seu ônus e bônus. Uma dica importante é tomar uma decisão após um período de análise e não de forma abrupta.

Aprender a tomar decisões é como andar de bicicleta: não tem idade. A maioria das pessoas aprendem a se equilibrar em uma bicicleta na infância, porém o equilíbrio que se pode ser alcançado por meio da tomada de decisões nem sempre os indivíduos atingem. Até mesmo na fase mais madura.

A boa notícia é que tudo é uma questão de prática. Ou seja, qualquer pessoa pode aprender a tomar decisões. Das mais simples, como o horário fixo de despertar, as mais difíceis como trocar de emprego. O tipo de decisão varia conforme o contexto que este indivíduo está inserido. Por exemplo, no ambiente de trabalho bons líderes são aqueles que escutam os outros, independente do cargo. Com esse nivelamento esses gestores conseguem tomar decisões melhores já que captam o que incomoda e o que deixa os funcionários felizes. Quando vamos para um contexto pessoal, ao tomarmos decisões como um rompimento de uma relação amorosa e\ou de amizade e seguirmos com essa decisão, em médio prazo, a confiança desse indivíduo aumenta. Isso acontece porque o cérebro tende a ter uma sensação de dever cumprido. É a chamada satisfação pessoal. O oposto disso também é válido, ou seja, quando a pessoa decide incluir outro indivíduo na sua vida e seguir com essa decisão.

Cada decisão tem o seu ônus e bônus. Uma dica importante é tomar uma decisão após um período de análise e não de forma abrupta. Logo, não tomá-la de “cabeça quente” e sim ter uma análise mais racional. Observar e apontar os possíveis efeitos da decisão que se pretende tomar.

Nas turmas da Minds Idiomas, temos mais de 10 mil alunos, há o aconselhamento de profissões para todos eles. Não somente para o público juvenil. Os adultos também têm estes direcionamentos nas aulas. Há muitas pessoas insatisfeitas nas profissões que optaram e não conseguem fazer um planejamento para trocar de carreira porque não decidem o que querem efetivamente fazer. “Sempre brinco que para sabermos o que queremos devemos olhar para dentro. No Brasil, o acesso a psicólogos ainda é algo associado a um custo alto. Isso é um pouco utópico. Há diversas Universidades que oferecem o atendimento psicológico gratuito. Um terapeuta pode ajudar aos profissionais a tomarem as melhores decisões no seu ambiente de trabalho e na vida”, elucida Augusto Jimenez, psicólogo da Minds English School.

Para ajudar você a cumprir as suas metas traçadas para 2019, o especialista e psicólogo da rede educacional Minds Idiomas, lista 5 atitudes para começar hoje mesmo:

1) Papel e caneta na mão

O ato de escrever as nossas metas com prazos e forma de se se conquistá-las faz com que a nossa mente se concentre de forma mais eficaz para conseguir o que pretendemos. Além de escrever os seus objetivos fixe-os em uma parede ou outro aparato que tenha o costume de olhar diariamente. O nosso cérebro precisa fixar/captar o que queremos a médio/longo prazo todos os dias. Afinal, tomamos as decisões no momento que escrevemos elas, mas para permanecer fazendo as atividades que nos farão concretizar os nossos objetivos é difícil do que o ato de decidir. Resiliência e sempre ter os objetivos á vista facilitarão para conseguir o que se quer. Essa dica vale tanto para desejos pessoais quanto profissionais.

2) Fique atento(a) ao tempo dedicado a redes sociais

A tecnologia veio para nos ajudar, porém tudo é uma questão de equilíbrio. Muitos indivíduos não conseguem cumprir com atividades que delimitam porque alegam a “falta de tempo”. Entretanto, quando medimos o período gasto nos smartphones todos os dias percebe-se o quanto de tempo temos para conseguir alcançar os nosso sonhos/metas escritos. Assim, baixe apps que cronometrem o quanto você fica na internet e diminua esse tempo caso esteja ultrapassando mais de 1 hora diária.

3) Cuide da sua mente e do seu corpo

Essa dica parece óbvia, porém é a que menos as pessoas se dedicam. Delimitar as pessoas pode ser mais fácil do que ter resiliência para cumpri-las. Por isso, comece um psicólogo e faça exercícios físicos. Encontre um esporte/atividade que realmente goste. Ambos os processos ativarão a sua mente para conseguir os seus sonhos e ter um dia a dia melhor em 2019.

4) Compartilhe as suas metas com os amigos/família

Você já deve ter ouvido aquele conselho de não falar para as outras pessoas quais são as suas metas/sonhos. Indo de encontro a essa fala, afirmo que é importante que você compartilhe com os indivíduos que lhe querem bem os seus planos. Isso porque muitos deles podem lhe ajudar a conseguí-los. Lembre-se que por mais que convivamos com as pessoas, nunca seremos capazes de saber tudo sobre elas. Talvez aquela oportunidade de emprego que você está traçando esteja mais próxima do que você imagina. Um amigo e/ou familiar pode trabalhar na empresa que você deseja e você não ter conhecimento disso. Pessoas que nos querem bem podem sim nos ajudar a conquistar os nossos sonhos. Por isso: compartilhe. De preferência pessoalmente.

5) Pensou em desistir?

Essa é a última dica. Todos os seus humanos têm dias difíceis e dias mais tranquilos. Quando pensar em desistir de fazer as coisas certas para conseguir o que realmente quer lembre-se que a sua decisão reafirma quem você é e que não há sentimento melhor do que estar em paz consigo mesmo. Logo, quando pensar em desistir de fazer as coisas certas para ter o resultado lá na frente, lembre -se que ao conquistar o seu objetivo a longo prazo, a sua mente ficará em paz e você terá todas as recompensas de ter ido ao encontro de quem você é e do que você realmente quer.

Fonte: administradores.com.br